9 de novembro de 2010

Escolas contra a fome

Imagem de APEAJIEC
A fome alastra pelo mundo fora, em países afectados pelas guerras, pelas perseguições, por terremotos, pelas cheias, secas e outras consequências das alterações climáticas, pela irresponsável e criminosa má governação e má distribuição de recursos.

Mas alastra também, aqui, em Portugal, com as instituições de solidariedade social a não terem mão a medir com o assustadoramente crescente número de pessoas a precisarem de ajuda para se poderem alimentar. Quantas crianças não têm como únicas refeições aquelas que tomam na escola, como relata o artigo de ontem no Expresso: Escolas lutam contra a fome

Numa altura de crise de valores que nos levou à crise económica, e em que os governantes insistem em fazer os que menos têm, e que menos culpa têm, pagar as dívidas que contraíram e o dinheiro que torraram em investimentos desnecessários, em obras que custam o dobro do suposto, e em ordenados e reformas a gestores públicos impensáveis nos países ricos, cabe aos municípios e às comunidades locais fazer um esforço para colmatar as necessidades dos mais afectados.

"A situação de pobreza começa a ser dramática e um pouco por todo o país há escolas que já abrem os seus refeitórios ao fim-de-semana para que os alunos mais carenciados possam almoçar. Deixaram de ser só as Misericórdias, a Cáritas ou outras instituições de solidariedade a responder às necessidades dos mais pobres e desprotegidos. As escolas conhecem e vivem este enorme flagelo. Confrontam-se, no dia-a-dia, com grupos de crianças que chegam à escola sem o aconchego de uma refeição, relatam vários professores e directores de agrupamentos de escolas. Por isso, a escola, que no cumprimento da sua função social assume um extenso leque de obrigações, passa a acumular também a de instituição de solidariedade social. As crianças comem não só à semana e ao fim-de-semana. Comem nas férias e as do Natal estão à porta. Os orçamentos das escolas são parcos. Os municípios, pelas competências e responsabilidades que sobre eles recaem quanto à educação, não se podem demitir. A si próprios devem exigir um maior rigor na utilização dos dinheiros públicos fazendo deles uma gestão humanizada." Edna Cardoso, professora, em O Povo Famalicense

9 comentários:

Eduardo Miguel Pereira disse...

É de facto uma (triste) realidade, e onde, uma vez mais, é o poder local que ainda assim tenta remediar erros do poder central.
Isto leva-me sempre à inevitável questão do reforço que deveria ser dado ao poder local, como alavanca crucial para um melhor e mais rápido crescimento do próprio país.
Embora isto seja assunto que dê pano para mangas ...

Também lá no meu "chegateaqui" tenho hoje um post sobre a fome, que peço a todos que visitem e assinem a petição.
Obrigado.

manuel marques disse...

Encontrou-se, em boa política, o segredo de fazer morrer de fome aqueles que, cultivando a terra, fazem viver os outros ...

Abraço.

Ana Paula Sena disse...

Esta é uma triste realidade, com a qual acontece conviver quase diariamente.

Um excelente post, Benjamina!

Paulo Lobato disse...

É verdadeiramente dramático, Benjamina.
Toda a ajuda é pouca para acudir ao número crescente de pessoas a necessitar de auxílio.

Por isso, só com a ajuda de todos será possível minorar esta tragédia. Vamos dar o nosso melhor!

Quanto aos munícipios, Eduardo, o seu envolvimento no apoio às suas gentes, como é sua obrigação, não os iliba de responsabilidades na situação a que chegámos; devo lembrar-te que também eles estão bastante endividados (pelas más razões) e que cargos criados para "amigos" é o que se sabe,....

Benjamina disse...

Eduardo

Já visitei e assinei a petição. Obrigada

Benjamina disse...

Manuel

"Boa política" não é essa com certeza! Um abraço

Benjamina disse...

Ana Paula
É triste e tem tendência a piorar, com o rumo que o país leva...
Obrigada

Benjamina disse...

Paulo

Uma responsabilidade que toca a todos, porque a irresponsabilidade de quem nos (des)governa é ilimitada... aliada à responsabilidade limitada a pouco mais que zero...

Benjamina disse...

Assinalo com tristeza que a professora Edna Cardoso, autora do texto que transcrevi neste post, deixou-nos, e deixou Famalicão mais pobre.