10 de fevereiro de 2010

Já me basta de sabedoria

Já me basta de sabedoria
eu para aqui me fico
que descanso este silêncio
estarão dormindo
talvez ausentes.

De lá fora
só cantares de pássaros
e o murmúrio da brisa nas árvores altas
aqui e além
um grito de criança divertida.

A luz cai oblíqua
e eu estirado
a sentir o tempo passar.

Que ninguém chore.


Henrique Risques Pereira, em Transparência do Tempo, edições Quasi, daqui. Pintura também de Risques Pereira, sem título, 1949, guache, aguada e tinta-da-China sobre papel, colecção Fundação Cupertino de Miranda

4 comentários:

manuel marques disse...

"que ninguém chore."

Apresso-me a rir de tudo, com medo de ser obrigado a chorar ...

Beijos.

Ferreira-Pinto disse...

É chegado o tempo do descanso?

Benjamina disse...

Manuel Marques

Mais vale rir que chorar...
Os motivos para chorar são tantos quando olhamos para o mundo à nossa volta, que por vezes nos temos de barricar um pouco e olhar para as coisas boas, e pedir que não chorem para não nos lembrarem das más...
Um abraço

Benjamina disse...

Ferreira-Pinto
Bem o dizes, acho estou mesmo a precisar de descanso...
Bom fim de semana