5 de janeiro de 2010

Ainda bem que assinei a petição

Uma boa notícia no princípio do ano é sempre bem-vinda, como é o caso da publicação de um decreto-lei que vem proibir a ameaçada cobrança de "taxa" pelo levantamento de dinheiro nas caixas multibanco.
Já chega de benesses sempre aos mesmos!

"Decreto-Lei n.º 3/2010, de 5 de Janeiro
(...)
Artigo 1.º - Objecto
O presente decreto-lei tem como objecto:
a) Proibir a cobrança de encargos pelas instituições de crédito nas operações, designadamente de levantamento, de depósito ou de pagamento de serviços, em caixas automáticas;
b) Proibir a cobrança de encargos pelos beneficiários de serviços de pagamento nas operações de pagamento através dos terminais de pagamento automáticos.

Artigo 2.º - Cobrança de encargos nas operações em caixas automáticas
Às instituições de crédito é vedado cobrar quaisquer encargos directos pela realização de operações bancárias em caixas automáticas, designadamente de levantamento, de depósito ou de pagamento de serviços.
(...)"

10 comentários:

Fada do bosque disse...

Olá Benjamina :)

Ora ! No meio de tantas más notícias, ainda bem que chega uma boa... nem sequer devia ter sido posto em causa tal assunto!... ai a Banca!

Beijinhos

manuel marques disse...

Ui ,uma boa notícia.Aleluia.

Abraço.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Uma taxa sobre as operações MB seria, antes de mais, um atentado a um negócio que muitos não sabem, mas em que Portugal foi pioneiro em termos Mundiais e que representa ainda hoje, o melhor e mais abrangente sistema de caixas MB e terminais de pagamento que existe.
Caixas MB e terminais de pagamento já haviam em muitos outros países, mas em nenhum se criou um sistema que aglutinasse todos os bancos que operam no país como em Portugal aconteceu. Isto para já não falar dos inovadores sistemas que a SIBS (empresa que gere o negócio do MB em Portual) entretanto criou como a Via Verde, por exemplo.
Sem mais delongas, um imposto para as operações no MB, para além de injusto e inaceitável para os clientes, seria uma machadada num negócio único que Portugal conseguiu criar, o que nos dias que correm, de crise financeira, mas também de crise de ideias, seria um verdadeiro atentado.

Benjamina disse...

Olá Fada e Manuel
Bem precisamos de boas notícias!

Eduardo
por acaso sabia dessa característica inovadora do nosso multibanco, mas penso que muitas pessoas (especialmente mais novas) não têm essa noção.
Já eram muitas as vozes a alertar que os bancos estavam a preparar-se para cobrar os levantamentos. Ouvi dizer que o BPN já estava a cobrar, mas não sei se é facto ou ficção.
Uma coisa é certa, os bancos, com os lucros escandalosos que têm, nunca se cansam de nos escandalizar e cobrar tudo e mais alguma coisa.
E depois, o que não é proibido é permitido, e assim este mal já ficou cortado pela raiz.
Ao menos preveniu-se o atentado... por agora, que o lobbie não vai descansar...

Paulo Lobato disse...

Benjamina, não esquecendo que os bancos já foram "aliviados" dos custos que antes tinham com estas operações, normalmente realizadas ao balcão...

Eduardo, e este exemplo também mostra o todo é maior que a soma das partes, e por isso devia ser mais vezes seguido ...

um abraço a todos

Ana Paula Sena disse...

É uma excelente notícia, Benjamina!

Neste caso, acreditei sempre que não viria a acontecer. Seria absolutamente incrível, a meu ver.

Deixo um beijinho :)

Benjamina disse...

Paulo
Pois, ainda mais isso, substituem os empregados por máquinas e ainda queriam que nós pagássemos por isso? Enfim... por agora estamos safos. Se cobrassem eu fazia como sugere o "Illuminatus Lex", guardava no colchão :)
Um abraço

Benjamina disse...

Olá Ana Paula
Eu também durante algum tempo não quis acreditar, mas acho que se não saísse lei a proibir, não ia tardar muito a acontecer... eles acham sempre que têm pouco lucro...
impressionante...
Beijinhos

Ferreira-Pinto disse...

Não deites já foguetes ou esqueces que em Portugal normalmente uma boa notícia para os consumidores precede duas ou três más? E com os bancos, nunca fiando!

Benjamina disse...

Bem visto, Ferreira-Pinto...
Espero é que pelo menos desta não passe de agoiro...