26 de outubro de 2009

Estética do Artifício

"A vida prejudica a expressão da vida. Se eu tivesse um grande amor nunca o poderia contar. Eu próprio não sei se este eu, que vos exponho, por estas coleantes páginas fora, realmente existe ou é apenas um conceito estético e falso que fiz de mim próprio. Sim, é assim. Vivo-me esteticamente em outro. Esculpi a minha vida como a uma estátua de matéria alheia ao meu ser. Às vezes não me reconheço, tão exterior me pus a mim, e tão de modo puramente artístico empreguei a minha consciência de mim próprio. Quem sou por detrás desta irrealidade? Não sei. Devo ser alguém. E se não busco viver, agir, sentir, é - crede-me bem - para não perturbar as linhas feitas da minha personalidade suposta. Quero ser tal qual quis ser e não sou. Se eu cedesse destruir-me-ia. Quero ser uma obra de arte, da alma pelo menos, já que do corpo não posso ser. Por isso me esculpi em calma e alheamento e me pus em estufa, longe dos ares frescos e das luzes francas - onde a minha artificialidade, flor absurda, floresça em afastada beleza.
(...)"

Bernardo Soares, em "O Livro do Desassossego"

Imagem: Quadro "Fernando Pessoa", de João Ricardo, óleo s/cartão, 1998

12 comentários:

Benjamina disse...

Este "post" é dedicado à Maria Josefa Paias, por me incluir como "sócia fundadora" do seu (nosso) Clube do Desassossego.

Maria Josefa Paias disse...

Benjamina,
Cá está o "desassossego" que disse que iria colocar no seu Armazém! E há apenas dois ou três dias que reli esta passagem do livro, e toda a dificuldade que este semi-heterónimo de Pessoa, Bernardo Soares, demonstra face à exterioridade.
Ficou belíssimo aqui e eu estou muito feliz com a sua dedicatória.
Muito obrigada e um beijinho.
Josefa

Ferreira-Pinto disse...

És sócia de quê?
Do Desassossego? Quem? A Benjamina? Não pode ...

Paulo Lobato disse...

Quem me dera o óleo, Benjamina!

Benjamina disse...

Ferreira-Pinto
Então não me sabias fã do desassossego do Fernando Pessoa? Não me digas que me achas pessoa tranquila...

Benjamina disse...

Paulo
Pois... também gostei!

A Palavra Mágica disse...

Benjamina,

É quase impossível comentar Pessoa e suas "loucuras" tão iluminadas.

Beijos!
Alcides

Benjamina disse...

Alcides

Também concordo. A escrita de Pessoa é iluminada e clara, através dela consegue-se "ler" as suas diversas e desassossegadas (umas mais que outras) "almas".

Ana Paula Sena disse...

Este desassossego é daqueles que são precisos. :)

Fiquei muito feliz por pertencer ao clube, graças à Maria Josefa Paias. Foi uma excelente ideia.

Um abraço, Benjamina!

Benjamina disse...

Ana Paula

Agora confirmei o que quase sabia... mas faltava o quase: é que a Ana Paula Belo é a Ana Paula Sena. Assim, já faz todo o sentido!
Eu também acho que foi uma excelente ideia. E fiquei contente por ser a Ana Paula a Ana Paula Belo do "clube".
Tem razão, desassossego deste, é preciso.
Beijinhos

Victor Afonso disse...

Pessoa era insuperável.

Benjamina disse...

É verdade, Victor Afonso.