9 de novembro de 2009

Por falar em muros...

23 comentários:

Ana Paula Sena disse...

Olá, Benjamina :)

Nem a propósito, ao relembrar hoje a queda do muro de Berlim, recordei a existência do muro na Faixa de Gaza, e, simultaneamente, ocorreu-me esta música magnífica dos Pink Floyd.

Foi excelente encontrar aqui o vídeo.

Um abraço

Ferreira-Pinto disse...

Uma sábia escolha!

Bia Maia disse...

Querida!

Lhe deixei um comentário na belíssima homenagem que fez ao seu pai e passo a lhe seguir!

Seja muito bem vinda ao meu blog!

Será um prazer tê-la por lá também!

beijos com carinho!

Bia Maia

Jorge Mesquita disse...

MUROS MENTAIS

Os muros mentais do século XXI, são alibis incompreensíveis, em seres humanos. Derrubá-los, é um estímulo mental que favorece a comunicabilidade, no coração das sociedades contemporâneas e na evolução progressiva de uma civilização que se entende como civilizada. Estes muros mentais dissiminam-se em todas as áreas do comportamento humano. A queda do muro que se celebrou hoje, não passa de um mero acto simbólico, porque não aboliu do planeta Terra, os verdadeiros muros mentais que, pouco a pouco, a têm vindo a destruir.A queda destes muros mentais é o martelo necessário à sobrevivência humana.

Oeiras, 09/11/2009 - Jorge Brasil Mesquita
www.comboiodotempo.blogspot.com

Manuela Freitas disse...

Olá,
Tenho o concerto gravado (na ocasião) dos Pink Floyd em Berlim
(1990), foi realmente um espectáculo fantástico e inesquecível!
Bj,
Manuela

Paulo Lobato disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Lobato disse...

Benjamina, há muito que não via este clip.
Boa lembrança, obrigado.

(curiosamente não lembrava esta data se não fosse a blogosfera)

#corrigido o erro#

Benjamina disse...

Ana Paula
Depois de um dia inteiro a ouvir falar no muro que caiu há 20 anos, e todos os outros muros que se têm erguido desde então, não consegui ficar indiferente, e lá fui buscar um "pedacinho" que gosto para armazenar.
Obrigada e um abraço.

Benjamina disse...

Ferreira-Pinto
Bem sabes que foste tu e o teu Abirritante que me lembraram esta música. Ou não deixaste lá o link para uma versão ao vivo da mesma? Obrigada, amigo.

Benjamina disse...

Bia Maia

Já visitei o seu positivo e lindo blogue, e gostei muito. Voltarei lá mais vezes. E muito obrigada pela sua visita.
Beijos

Benjamina disse...

Jorge Mesquita
Muito bem dito. Talvez os muros mentais sejam bem piores que os muros reais que ainda subsistem e que ainda se constroem.
Assim sendo, precisamos mais de martelos mentais.

Benjamina disse...

Manuela
Eu acho que não vi essa actuação, mas imagino a febre: um anos depois, em Berlim!
Beijos

Benjamina disse...

Paulo
Não precisava corrigir por erro tão pequenino ;)
Um abraço

Fada do bosque disse...

Só tenho a dizer, espectáculo!

Penso sempre no pai no dia em que o muro foi abaixo. Falamos a tarde inteira sobre a guerra fria e sobre os seus anseios. Disse-lhe para escutar o Sting "the Russian love their children to" e ele chorou... partiu nesse mesmo dia
Foi a nossa última conversa...
Ainda hoje me dói o coração, por não ter sobrevivido o suficiente, para ver que os seus receios eram vãos.
Beijinho Benjamina e desculpa, agora sou eu que quero ou preciso partilhar. Pensei tanto no Pai, ontem...

Spark disse...

Excelente banda, excelente música...

;)

Paulo Assim disse...

Lembro-me bem do tempo em que ouvi essa música pela primeira vez: foi num circo, tinha eu 11/12 anos. The Wall é, para mim, o melhor disco de todos os tempos.
E, ali para a Fada, também me lembro daquela do Sting: belíssima canção que quase me arrancava lágrimas aos olhos...

Fada do bosque disse...

Obrigada Paulo Assim... já não me sinto tão só... :)

Benjamina disse...

Olá Fada
Não sabia dessa conversa... emocinoaste-me... fazes bem partilhar... faz bem.
Obrigada. Beijos

Benjamina disse...

Spark
Concordo plenamente :)

Benjamina disse...

Paulo Assim
Eu também considero esse álbum uma verdadeira obra-prima. E talvez mesmo o melhor de sempre. O Hey You foi das primeiras coisas que armazenei por aqui.

Benjamina disse...

Fada e Paulo, também sempre adorei o Russians. Mas já há muito que não ouvia.

Fada, não fazia ideia sequer que o pai conhecia essa música... obrigada por lembrares. "We share the same biology, Regardless of ideology".

Fada do bosque disse...

Acho que nesse dia o pai estava mais preocupado com o futuro dos filhos, do que com o dele... sabes que temeu ficarmos sem ele e o que seria a URSS? aquilo que achava a maior ameaça para nós... armas nucleares.
Eu disse que não iria acontecer nada porque a letra dessa música era tão verdadeira, quanto o amor que tinha pelos 6 filhos, escutou-a e acalmou, pensei eu... aquele receio assustou-me... enfim nunca disse a ninguém.
Beijinho e realmente faz bem desabafar. :)

Benjamina disse...

Fada
Deixei um "comentário" ao teu comentário no "post" anterior.
Beijos